Os 5 medicamentos ou remédios mais utilizados para abortar

Hoje iremos falar dos medicamentos mais utilizados como abortivos no Brasil e no mundo.

#1. Em primeiro lugar temos o famoso Misoprostol.

Mais conhecido pelo nome comercial de Cytotec, a venda de misoprostol tem aumentado muito nos últimos anos em razão do grande número de mulheres que têm interesse em comprar misoprostol para realizar procedimentos abortivos em casa mesmo. O Misoprostol é um dos, senão o mais, eficientes medicamentos para causar o aborto principalmente nas 10 primeiras semanas de gestação.

#2. Na segunda colocação vem a Mifepristona, ou também conhecido como RU-486.

A mifepristona é uma antiprogesterona esteroidal sintética e um fármaco antiglucocorticoide. É um esteroide NOR-19 com substituição nas posições C11 e C17, que antagoniza a acção do cortisol competitivamente ao nível do recetor.

Wikipedia

Embora seja mais utilizado em conjunto com o Misoprostol, a Mifepristona também pode ser utilizada sozinha e têm, segundo a literatura médica, mostrado bons resultados na realização de abortos médicos para gestações de até 12 semanas.

Mifepristone 200mg

A Mifepristona é comercializada nos Estados Unidos pela Danco Laboratories com o nome Mifeprex e está aprovada pela Food and Drug Administration nos Estados Unidos para término de gravidezes intrauterinas até 49 dias de gestação. Sob o protocolo aprovado pela FDA, uma dose de 600mg de mifepristona deve ser administrada por um clínico, e em seguida a mulher tem uma sessão de aconselhamento. Dois dias depois, um clínico administra 400µg de misoprostol, para induzir contrações. Em estudos realizados na Europa, este método terminou entre 96% e 99% das gravidezes até 49 dias de gestação, mas num grande ensaio multicêntrico realizado nos Estados Unidos entre Setembro de 1994 e Setembro de 1995, a eficácia foi menor (92%), o que os autores do estudo sugeriram dever-se à falta de experiência com este método nos Estados Unidos e/ou com o próprio desenho do estudo. Na Europa e na China, um período de observação de várias horas é requerido após a administração do misoprostol. Se a expulsão do tecido fetal não ocorrer durante o período de observação, é oferecido um aborto cirúrgico. Nos Estados Unidos não é requerido um período de observação, mas é fortemente recomendado.

A Mifepristona pode também ser utilizada em pequenas doses como contracetivo de emergência; se tomada após a relação sexual mas antes do período de ovulação, pode inibir a ovulação e assim evitar uma gravidez. Para esta utilização, uma dose de 10mg não é tão eficaz como uma dose de 600mg, mas tem menos efeitos secundários. A Mifeprex e a Mifegyne apenas estão disponíveis em comprimidos de 200mg.

Uma revisão de estudos realizados em humanos, descobriu que os efeitos contracetivos da dose de 10mg devem-se provavelmente aos seus efeitos na ovulação, e não na inibição da implantação do embrião, mas “o conhecimento do mecanismo de acção permanece incompleto”. O tratamento com 200mg de Mifepristona altera a expressão do receptor do esteróide nas Trompas de Falópio, inibindo o desenvolvimento do endométrio e prevenindo eficazmente a implantação.

#3. A Ocitocina.

Ocitocina ou oxitocinona é um hormônio produzido pelo hipotálamo e armazenado na p90-hipófise posterior (Neurohipófise) tendo como função: promover as contrações musculares uterinas; reduzir o sangramento durante o parto; estimular a libertação do leite materno; desenvolver apego e empatia entre pessoas; produzir parte do prazer do orgasmo; e modular a sensibilidade ao medo (do desconhecido).

#4. Carboprost.

O carboprost é um análogo sintético da prostaglandina da PGF2α com propriedades ocitóticas. O carboprost induz contrações e pode desencadear o aborto no início da gravidez. Também reduz o sangramento pós-parto.

#5. Cervidil.

A prostaglandina E2 (PGE2) é um Eicosanóide (molécula lipídica com uma estrutura de 20C) do grupo das prostaglandinas. É um derivado do ácido araquidónico e, consequentemente, pertence à série 2 dos eicosanóides, pois possui duas ligações covalentes duplas. É um dos produtos da via metabólica da cascata do ácido araquidónico, à semelhança das demais prostaglandinas, dos tromboxanos e dos leucotrienos.

É sintetizada pela prostaglandina E2 sintetase a partir da prostaglandina precursora PGH2. A molécula foi descoberta em 1976 por Bunting, Gryglewski, Moncada e Vane.

Cascata do ácido araquidónico e a síntese de PGE2
A PGE2 é um mediador lipídico de grande relevância na bioquímica humana que actua sobre um conjunto de receptores acoplados à proteína G denominados EP. Existem três isoformas do receptor: EP1, EP2 e EP3. Os efeitos da PGE2 são mediados por vias de sinalização intracelular que vão, obviamente, depender do tipo de receptor a que a molécula se ligar.

Conclusão.

Como pode-se notar, no Brasil seja pelo custo ou pela possibilidade de encontrar os medicamentos, as opções mais viáveis são o Misoprostol e a Mifepristona, que podem ser comprados com segurança através dos Sites Verificados aqui do blog.

Curta e compartilhe:
error